Arquivo da tag: política reformada

Véspera de eleição

Logotipo da campanha do TSE por voto limpo nas eleições municipais

Logo do Tribunal Superior Eleitoral para as eleições municipais deste ano

Amanhã, dia do Senhor, é igualmente dia de mais uma eleição municipal. Em todo o Brasil, milhares de candidatos a prefeito e vereador participam de pleitos cujos resultados interessam diretamente a cada um dos milhões de eleitores convocados a votar, entre os quais eu me incluo. Afinal, os rumos das cidades onde moramos está em jogo — e, indiretamente, os do próprio País, pois uma eleição dessas repercute também nas esferas estaduais e federal.

Por outro lado, o sufrágio das urnas repercutirá ainda nas denominações evangélicas, principalmente naquelas abertamente envolvidas no certame (a esmagadora maioria), seja lançando candidatos próprios (“irmão vota em irmão”, dizem, apoiando-se numa exegese tendenciosa de Dt 17.15), seja mesmo apoiando descrentes (desde as eleições presidenciais de 1989 arraigou-se o temor de se colocar no poder políticos que se supõe hostis aos “interesses do povo de Deus”).

No Brasil, política e corrupção, infelizmente, soam à maioria da população como termos sinônimos. Em tese, a atividade política deve pressupor a abnegação e dedicação do detentor do mandato a ele outorgado, como uma causa a que se abraça, tudo em prol do bem-estar e do interesse maior da coletividade por ele representada. E isso se verificou nos exemplos bíblicos de José, Daniel e Neemias, apesar de não terem eles chegado aos seus cargos pelo voto democrático. Contudo, na atualidade, a sucessão de escândalos em todos os níveis têm feito com que tal ideal pareça uma simples quimera em nossa nação.

Porém, dou razão a quem defende que cada povo tem o govern0 que merece. Pois a corrupção na política começa é com pequenos e “inocentes” favores, e.g., de um vereador para com seu eleitor. Ou do congressista para com a igreja que apoiou sua campanha eleitoral, a qual faz do “seu” mandatário, na feliz definição do pastor batista Isaltino Gomes Coelho Filho, um “despachante evangélico”…

De fato, lamentavelmente muitos “irmãos” políticos são parte do problema que infelicita e vicia nossa vida pública, não o “sal” e a “luz”, a benéfica influência cristã que se esperaria que exercessem — mas grande parte dos “crentes” e igrejas são cúmplices deles: compartilham da mesma mentalidade quanto ao trato para com o que é de todo o povo.

A propósito, lembro-me de um triste episódio que testemunhei numa reunião de certa igreja anos atrás. A comunidade ali atravessava delicada situação financeira, agravada com a saída repentina do pastor e a consequente vacância no ministério, a qual perdurou meses. Por isso, foi cogitada a demissão do jovem instrumentista remunerado pela igreja. A questão foi então trazida à assembleia para apreciação e votação pelos membros (o sistema de governo adotado era o congregacional).

Não era hábito da juventude ali participar dessas reuniões, quase sempre cansativas e maçantes, e o seu desinteresse por elas continua até hoje. Mas, quando os jovens e adolescentes souberam que um assunto tão importante para o amigo músico seria tratado naquela ocasião, resolveram então comparecer em massa na assembleia. E o peso dos votos deles foi decisivo: o rapaz terminou mantido na função remunerada.

Agora eu pergunto, irmão leitor: Em que um fato deplorável desses se difere das práticas do parlamentar em Brasília que legisla em causa própria, que dá as costas à sociedade, que é fisiológico e só vota nas matérias de interesse seu ou do seu grupo? Um político desse naipe não é mesmo “a cara” de muitos e muitos eleitores, inclusive daqueles que dizem professar a fé em Cristo e alegam ser nascidos de novo?

Que nessa eleição, portanto, os irmãos em Cristo tenhamos em mente Provérbios 14.34 na hora de votar: “A justiça exalta os povos, mas o pecado é a vergonha das nações”. E isso envolve a vida política nacional.


%d blogueiros gostam disto: